Veative Labs é uma start-up indiana focada na educação através da tecnologia, que promete ajudar os alunos a aprender de uma maneira mais divertida e interativa.

Quantos de nós nos questionámos – principalmente em matemática –  sobre a aplicabilidade prática de toda a matéria que era lecionada nas salas de aula? É este o problema que a Veative Labs pretende solucionar.

A realidade virtual já está a ser otimizada para ser utilizada em diversas áreas como nos videojogos, no entretenimento, no setor imobiliário e até na saúde. No entanto, ainda não está a ter os mesmos desenvolvimentos no Ensino.

O CEO e fundador da Piron Corporation – criadora da Veative Labs -, Ankur Aggrawal, explica que a ideia por trás deste projeto é trazer às salas de aula uma experiência de aprendizagem mais enriquecedora. “Os nossos produtos e conteúdo imersivo ganham a atenção dos alunos e ajudam-nos a aprender ao trazer a matéria lecionada à ‘vida real’. Criado para instituições de ensino, o conteúdo pode ser ajustado em relação à área de ensino. A Veative tem centenas de módulos de realidade virtual em ciências e matemática e estamos constantemente a desenvolver mais”, refere o CEO.

A Veative Lavs já conta com 300 módulos de ensino lançados nas áreas de biologia, química, física e matemática, que têm a possibilidade de serem facilmente adaptados para qualquer língua ou área de estudo. Todos eles incluem modelos 3D, vídeos com 360º, exercícios, simulações e outras atividades. Tudo isto é complementado com “apps” de análise e gestão para os professores.

Apesar de parecer algo saído de um filme sci-fi, esta tecnologia é relativamente fácil de utilizar. Os módulos já estão incorporados no “headset” sem haver necessidade de utilizar um telemóvel. Isto não só facilita a gestão do equipamento como previne qualquer tipo de distrações.

Este “headset” inclui também um comando que facilita a navegação e torna a tecnologia mais imersiva, visto que os alunos conseguem mover os objetos virtuais que estão expostos em realidade virtual.

Para ganhar a atenção na sala de aula, os professores têm acesso ao ecrã de cada aluno, podendo manipular aquilo que cada um vê. Podem também instalar, desinstalar e iniciar módulos à distância.

Tendo sido criada em 2016 com um investimento inicial de cerca de 4,5 milhões de euros, a Veative Labs está neste momento em fase de negociações com várias instituições por todo o mundo.

O setor de “Edtech” (Educação através da tecnologia) é um dos maiores no ecossistema de start-ups da Índia. Calcula-se que ao todo sejam investidos anualmente mais de 105 mil milhões de euros – entre o governo e investidores privados – neste setor.

Comentários