O número de business angels mulheres no Reino Unido é mais baixo do que o dos Estados Unidos e até mesmo do que a média europeia.

Os business angels são um veículo extremamente importante para a economia do Reino Unido. Perto de 985 milhões de euros (850 milhões de libras) anuais são depositados nas mãos de empreendedores com o sonho de construírem a próxima start-up unicórnio.

Mas apesar desta prática se estar a tornar cada vez mais popular, com programas como o Dragon’s Den (equivalente britânico ao Shark Tank) a colocarem este tipo de investidores na ribalta, apenas 9% dos business angels do Reino Unido são mulheres.

Estes números são de um estudo efetuado no ano passado por Richard Harrison (University of Edinburgh Business School), Colin Mason (University of Glasgow) e Tiago Botelho (University of East Anglia). Segundo este, nos Estados Unidos 20% dos business angels são mulheres e a média europeia ronda os 11%.

Business angels mulheres trazem uma taxa de sucesso superior a 21%

As percentagens estrangeiras pintam um quadro negro no Reino Unido. Para contrariar tais números, os grupos de investidores anjo começam a lançar campanhas para atrair mulheres para este universo. Um deles é o Anglia Capital Group (ACG). De acordo com a publicação Eastern Daily Press, este grupo está a tentar mudar o cenário atual.

Uma das iniciativas passa por promover encontros de networking com o objetivo de atrair mais investidoras. A acrescentar ao facto de promover a diversidade num mundo dominado por homens, segundo um estudo da UK Business Angels Association (UKBAA), as start-ups que recebem investimento de bussiness angels mulheres têm 21% mais probabilidade de serem bem-sucedidas – algo que apoia a campanha de atração de mulheres para este universo.

Yanbo Wang é uma das investidoras que compõe a pequena fatia de business angels femininas a operar no Reino Unido e um dos membros do ACG. Em entrevista ao Eastern Daily Press, Wang explica que “é importante ter uma mulher nos quadros porque pensamos frequentemente de uma maneira diferente – somos duras e tentamos sempre arranjar uma solução para as coisas em vez de desistir”.

Porque não existem mais investidoras?

Há dois motivos principais para não existirem mais mulheres business angels, de acordo com o estudo dos três investigadores universitários. Estas investidoras não só têm menos probabilidades de terem experiência nos quadros mais altos das empresas – o que se traduz em falta de experiência a levantar investimento e, possivelmente, em capacidade financeira – como também tendem a tomar uma posição mais conservadora, o que significa investimentos menos frequentes e em menor quantidade.

“Acho que tem a ver com tomadas de risco. As mulheres tendem a ser menos inclinadas a tomar riscos”, refere Wang ao jornal diário britânico. “Antes de ter ouvido a informação sobre as investidoras femininas nunca tinha considerado o facto de ser uma mulher e de pertencer a uma minoria.”

Ao contrário dos seus pares, Wang não tem medo de tomar riscos. Parte do motivo prende-se com o facto de ter um background de pobreza extrema. Oriunda de uma região próxima dos Himalaias, a investidora explica que ter crescido “à volta de muita pobreza e sem ninguém para cuidar de mim, fui conduzida a tentar e a procurar segurança. Agora tenho menos medo de tomar riscos por causa disso”.

Comentários

Sobre o autor