A Fundação Calouste Gulbenkian e a Fundação Oceano Azul estão à procura de projetos de bioeconomia marinha para integrarem o programa de aceleração Blue Bio Value.

Esta iniciativa destina-se quer a PMEs e start-ups que precisem de ganhar escala e/ou desenvolver competências, quer a equipas de investigação que tenham desenvolvido produtos com potencial para serem transformados em novos negócios.

O requisito principal é que os projetos se insiram nas áreas de biotecnologia e biorrecursos marinhos, com o propósito de desenvolverem a economia marinha de forma sustentável. A ideia é encontrar soluções – tanto produtos, como serviços – que sejam sustentáveis e cuja exploração resulte num impacto positivo para os oceanos.

As candidaturas já estão abertas e podem ser efetuadas até ao dia 19 de agosto no site da Blue Bio Value.

A organização quer, desta forma, contribuir para que Portugal se torne num polo europeu relevante e inovador no desenvolvimento da mais moderna bioeconomia marinha, ao mesmo tempo que promove a utilização mais sustentável do oceanos.

O programa de aceleração tem a duração de oito semanas, e as equipas que o integrem vão poder contar com o apoio dos dois organizadores da aceleradora, da Fábrica de Startups, da Bluebio Alliance e da Faber Ventures.

Durante este período, estas entidades vão ajudar os participantes a validar a tecnologia desenvolvida, a adquirir competências de gestão – de forma a criar as bases para o desenvolvimento de novos produtos e serviços economicamente viáveis e que forneçam um mercado global – e a aceder a uma rede única de mentores nacionais e internacionais, parceiros especialistas no setor e potenciais clientes e investidores.

Esta será a primeira edição de uma iniciativa que prolongará durante três anos. As duas fundações na origem do programa assumiram o compromisso de investir, pelo menos, um milhão de euros nos próximos três anos e pretendem acelerar, anualmente, entre uma a duas dezenas de empresas portuguesas e estrangeiras.

Nesta primeira edição, a agenda está focada em “atacar” quatro desafios principais:

– Como alimentar uma população crescente;
– Alterações climáticas e redução de emissões de CO2;
– Escassez de recursos e redução/substituição de plásticos;
– Soluções de bem-estar para uma população mais envelhecida.

O anúncio das candidaturas selecionadas será feito até 31 de agosto, o programa de aceleração decorre entre 25 de setembro e 14 de novembro e o final pitch day será feito no dia 14 de novembro.

Comentários