O modelo de negócio de franchising é, por definição, a prática do direito de utilizar uma determinada marca durante um determinado período de tempo e num determinado local.

É uma opção interessante para qualquer pessoa que queira investir num negócio próprio, pois, no fundo, investe-se no know-how e na experiência já adquirida de um determinado leque de produtos ou serviços. No entanto, esta liberdade de negócio gera uma característica que é comum a todos os negócios de franchising: a diversidade de recursos humanos. Apesar de as redes franchisadoras diferirem entre si nos sistemas de recrutamento, naturalmente que pessoas com backgrounds e experiências distintas se sentem atraídas por este modelo de negócio.

A gestão de recursos humanos é considerada por vários especialistas, a área mais complexa de qualquer negócio ou empresa. Somos todos diferentes, fomos educados e formados de forma diferente, temos feitios diferentes e regemos a nossa vida por valores diferentes. Esta é a principal dificuldade de qualquer empresário. Manter uma equipa alinhada, focada e motivada é o segredo para o sucesso de qualquer rede de franchising.

A palavra-chave para gerir um negócio e pessoas em modelo de franchising é a consistência. O que distingue este modelo de negócio, é o seu reconhecimento em qualquer parte. Por exemplo, se visitarmos um restaurante McDonald’s em Portugal ou em Inglaterra, facilmente reconhecemos tratar-se da mesma rede. Isto é possível, pois a imagem é a mesma, o logotipo também, a comunicação, a formação dos colaboradores, os produtos e o branding. Naturalmente que atingir esta consistência demora tempo e esforço, pois é fundamental todos os franchisados estarem alinhados com as mesmas ideias e regras, e implica um sistema de controlo de qualidade e sistemas extremamente exigentes por parte do franchisador.

É óbvio que a gestão de pessoas e negócio também depende diretamente do tipo de liderança praticado. Uma liderança que envolva, motive e partilhe ideias e estratégias, permite que os franchisados participem ativamente em todas as decisões e opções tomadas. Afinal, pagam royalties e investem em licenças por isso mesmo. Em oposição, tipos de liderança mais diretivos e autoritários, que dispensem consulta e partilha, geram redes de franchisados mais insatisfeitos e menos alinhados.

Aceitar e tirar partido desta diversidade inerente às redes de franchising é a chave para um negócio de sucesso. Dar palavra e escutar esta riqueza de opiniões, perspetivas e experiências torna qualquer estratégia mais rica, funcional e eficiente.

Comentários

Sobre o autor

Mariana Torres

Mariana Torres é national franchisor em Portugal da marca Helen Doron English, um método de ensino da língua inglesa que vai desde os bebés com três meses até aos jovens com 19 anos. Em 2012, abriu a sua primeira unidade... Ler Mais