Por vezes, batizar um negócio é mais difícil do que dar o nome a um filho. Já pensou como o nome do seu negócio pode condicionar o potencial de sucesso da sua ideia?

Cada vez mais, a escolha do nome de um negócio pode ser determinante para o seu sucesso. Mas muitos são aqueles que, ainda hoje, não dedicam grande atenção ao processo e esquecem uma série de cuidados a ter.

Hoje, a pressão está, habitualmente, sobre conseguir encontrar uma palavra em inglês que não tenha ainda sido usada nem registada, que fique na lembrança e seja fácil de escrever.

Mas como se consegue tal prodígio nos dias que correm?

Foi a pensar em dar-lhe uma ajuda no processo que David Weiner, diretor de negócio da Company Address, partilhou alguns conselhos e dicas, para escolher o nome perfeito para o seu negócio.

O objetivo do nome

O nome do seu negócio é mais do que uma marca que o identifica. Habitualmente, é a primeira coisa que as pessoas ouvem a seguir ao seu nome e como se referirão a si no futuro. Por isso, procure que:

– Seja fácil de lembrar e fácil de escrever num motor de busca;
– Deixe impressão, quando é ouvido.

Se quer que as pessoas falem umas com as outras do seu negócio e o recomendem, o nome tem de ser fácil de decorar. Se lerem sobre si, mas não forem capazes, depois, de se lembrar do nome, quando forem pesquisar para o encontrarem, estará a aumentar as hipóteses de perder o cliente.

Pense no que mais gostaria de dizer a um potencial cliente sobre a sua marca. É inovadora, tecnológica, ou de confiança? É económica, divertida ou entusiasmante? Trata-se de qualidades que consegue comunicar através do som do nome e de como surgem as letras.

Estudo de caso: porque nunca ouviu falar na marca de telemóveis StrawBerry

Estava-se em 1998 e a RIM estava a escolher o nome para o seu novo aparelho de envio de emails que, mais tarde, se tornou no nome de toda a empresa. O processo que percorreram até chegar ao nome BlackBerry, hoje associado a telemóveis que integram um teclado completo e vez de teclas com várias funções, demonstra bem quão importante é a questão do nome escolhido.

A pensar em ganhar vantagem a outras empresas, a RIM passou de nomes descritivos, como PocketLink para ideias mais criativas. Olharam para o teclado, o ponto mais diferenciador no produto, face aos demais, e começaram a pensar em formas de o representar de forma metafórica. Foi devido à aparência dos botões do teclado que o nome Strawberry e Blackberry surgiram. Eram ambos nomes diferentes e fáceis de lembrar, quando se pretendia referir um telemóvel, mas Strawberry foi considerado demasiado fraco. A RIM queria alguma coisa forte e que provocasse impacto, uma vez que se tratava de uma tecnologia do imediato. Blackberry, com um som forte inicial e sílabas curtas iniciais, foi o escolhido, em detrimento do fraco som inicial de Strawberry. Blackberry incluía ainda dois “b”, cujo som é universalmente considerado distintivo.

Trata-se de um bom exemplo de uma empresa que decidiu pensar diferente e acabou por surgir com um nome fácil de lembrar e que ilustrava claramente o sentido que queriam associar ao produto.

A arte de ser original e memorável

Com quase todas as palavras mais comuns do inglês fora da lista de nomes disponíveis para empresas, a menos que escolha algo meramente descritivo (o que é potencialmente limitante para si) ou use simplesmente o seu nome, terá que ser criativo com o uso da língua, quando for nomear o seu negócio.

Criar um bom neologismo (uma palavra composta) é a forma como muitas empresas encontram o seu nome.

Uma maneira de criar um nome que evoque o que pretende, é através de um morfema, como tele – no caso do telefone e televisão – e juntar-lhe outra sílaba ou palavra.

Um bom exemplo disso é a Activision. O nome é um neologismo que começa com o morfema “acti” (como em ação, atividade, etc.). Não sei qual o padrão de raciocínio preciso que está por trás do nome, mas vejo este morfema como uma forma de transmitirem a sensação de emoção e de movimento, inerente a quem cria jogos de vídeo.

Outra forma de criar neologismos é através de grafias alternativas e de palavras compostas. A Vodafone usa uma soletração alternativa de “telefone”, que não só torna o nome mais distintivo, como o encurta.

Mantenha os seus clientes sempre no pensamento

Quando está a pensar em nomes para o seu negócio, é fácil ficar-se preso àqueles de que mais gostamos. Mas não é você que precisa de ser convencido de que o seu negócio vale a pena. No exemplo anterior, a BlackBerry não se decidiu por aquele de que gostavam mais, mas testaram-no, juntamente com outros nomes possíveis, antes de concluir que era BlackBerry o que mais chamava a atenção do seu público.

Ao pensar num nome para a empresa, tente criar uma lista com várias opções, que possa mostrar a pessoas que não estão envolvidas com a empresa e ouvir o que estas têm a dizer, em especial aquelas que têm opiniões diferentes da sua. Não lhe convém ter uma empresa cujo nome mais ninguém gosta ou se consegue lembrar.

Questões legais

Antes de começar a avançar com um determinado nome, garanta que este não está já em uso ou associado a qualquer questão legal que o impeça de o usar. Não quererá ter tudo pronto para começar o negócio e descobrir que, afinal, vai ter de mudar o nome que tinha sido escolhido.

Erros a evitar no nome

Há pequenos erros que podem ser feitos e que convém evitar no processo de criação do nome da empresa.

Nomes demasiado limitativos: O problema com nomes descritivos é limitarem o potencial de crescimento. Um negócio chamado Bristol Model Trains está bem, na teoria, mas se eles quiserem sair de Bristol ou expandir para outros produtos, o nome vai estar contra eles.

Nomes muito semelhantes a outros já existentes: por razões legais e de memória, evite nomes que são muito semelhantes a outros já existentes, mesmo quando acha que é uma semelhança remota.

Nomes com significados alternativos: se está de olho nos mercados internacionais, seja cauteloso com as dificuldades de tradução, ou em escolher aleatoriamente palavras de outra língua que lhe soam bem.

Nomes que ninguém consegue pronunciar ou soletrar: se os clientes pensarem que um determinado nome deve ser escrito de certa forma, ouça-os. É por isso que a Google não se chama Googol (o nome inicialmente previsto para a empresa). Se o nome é difícil de pronunciar ou contém muitos números, provavelmente não vale a pena avançar com ele.

Comentários