Esta semana o ensino superior português mudou.

Habituámo-nos a que a comunicação social nos transmita a ideia de que as Instituições de Ensino Portuguesas não são inovadoras, nem criativas e que “lá fora” é que as Universidades são Projetos Educativos de Excelência.

Ao longo dos anos, apesar dos esforços notáveis dos vários governos em dotar o ordenamento jurídico português das normas essenciais à internacionalização do ensino superior no nosso país e dos resultados notáveis que as diferentes universidades foram alcançando, parecia que nunca nada era suficiente.

Em 2006, foi publicado o Decreto-Lei nº. 74/2006, publicado na I Série-A do Diário da República nº. 60 de 24 de Março de 2006, que previa e estatuía o Regime jurídico dos graus e diplomas do ensino superior, no âmbito do Processo de Bolonha. Em 2008, o Decreto-Lei nº. 107/2008, publicado na I Série do Diário da República nº. 121 de 25 de Junho de 2008, vem introduzir alterações à versão original e atualizar o Regime.

Em março de 2014, o Governo aprova o Decreto-Lei 36/2014 que regulamenta o Estatuto do Estudante Internacional.

O Processo de Bolonha e o Estatuto do Estudante Internacional foram dois dos muitos documentos produzidos nos últimos anos que visavam colocar as Nossas Instituições de Ensino Superior entre as melhores do mundo.

O convite feito a Francisco Veloso para dirigir a Business School do Imperial College London, já a partir de agosto, vem provar que os Profetas da desgraça estavam errados e que os governantes e os dirigentes do ensino superior português estavam certos!

Com um percurso académico assente na multidisciplinaridade [i], onde destruiu o velho mito de que o mestrado e o doutoramento devem ser feitos na mesma área da licenciatura, Francisco Veloso chegou em 2011 à Universidade Católica Portuguesa e, passado um ano, assumiu a direção da Escola de Gestão.

Demonstra que é possível Empreender a Educar, pois desde o início da sua colaboração com a Universidade Católica Portuguesa que leciona a cadeira de Inovação e Empreendedorismo e conseguiu levar à prática os seus ensinamentos, ao ponto do Financial Times ter considerado a Católica a 23ª melhor escola de gestão da Europa.

Esta semana ficará na nossa memória coletiva como aquela em que mostrámos ao mundo que o Nosso Ensino Superior cumpre na íntegra o Objetivo 4: Educação de qualidade, dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas.

Para a Academia Portuguesa, este convite é uma honra e será, espero, o ponto de partida para muitos outros factos que irão demonstrar que em Portugal também se Educa para Empreender a Educar!

[i]Licenciou-se no Instituto Superior Técnico em Engenharia Física, tirou o Mestrado no ISEG em Gestão e doutorou-se no MIT em Gestão de Tecnologia.

Comentários

Sobre o autor

Teresa Damásio

Teresa Damásio é Administradora Delegada do Grupo Ensinus desde julho de 2016, constituído por Instituições de Ensino Superior, o ISG, por Escolas Profissionais, o INETE, A Escola de Comércio de Lisboa e a Escola de Comércio do Porto, a EPET,... Ler Mais