Para além de estar a salvar um ecossistema de possíveis extinções, Ryan Chadwick está a ganhar dinheiro com esta espécie que está a ameaçar o Oceano Atlântico.

Ryan Chadwick está a gerar receitas na ordem dos seis dígitos a vender um peixe venenoso que ameaça outras espécies do Oceano Atlântico. O peixe-leão é a espécie em questão. O empreendedor nova-iorquino abriu um restaurante à volta deste peixe que está a destruir os ecossistemas dos recifes.

Originalmente pertencente aos oceanos Índico e Pacífico, pensa-se que a relocalização de parte da população do peixe-leão tenha sido causada por mão-humana. A teoria por trás desta afirmação é que tenham sido pessoas a “despejar” esta espécie dos aquários da sua casa para o oceano. À ação humana junta-se a capacidade  e poderem colocar mais de 30 mil ovos em apenas quatro dias.

Não tendo origem no Oceano Atlântico, o peixe-leão tornou-se uma ameaça ao ecossistema porque, como refere o empreendedor à CNBC, estes peixes são “autênticos aspiradores” que não têm predadores.

Juntando a utilidade ambiental à monetária, Ryan Chadwick começou a caçar estes peixes na zona das Bahamas, local onde este tipo de peixe está a fazer mais estragos, e abriu um restaurante em Nova Iorque, onde começou a vender um prato pouco – ou nada – explorado pelos restaurantes da cidade.

Como Chadwick refere em entrevista à CNBC, a abertura do restaurante à volta de uma espécie de peixe foi um risco. Felizmente para o empreendedor, o risco compensou. Os clientes foram bastante recetivos ao produto e vários restaurantes começaram a querer ter este prato nos seus estabelecimentos.

Em 2015, Chadwick vendia cerca de 18 quilos de peixe por semana. Atualmente, as encomendas semanais, feitas por outros restaurantes e por supermercados, ultrapassam os 270 quilos.

Apesar da venda do peixe-leão estar a ter bastante sucesso, Chadwick refere que este negócio não se trata de fazer o máximo dinheiro possível, mas sim de uma paixão.

Veja a reportagem da CNBC com o empreendedor.

Comentários