O Link to Leaders entrevistou Monica Milone, diretora-geral da Amway na Peninsula Ibérica, uma empresa que atua na área da beleza e de vendas diretas e que, em 2016, ultrapassou os 17 milhões de euros em vendas.

Monica Milone está à frente da empresa de venda Direta e tem vindo a promover esta área de negócio junto de futuros empreendedores, nomeadamente com o desenvolvimento de um estudo designado de AGER que serve de indicador de como Portugal e a Europa encaram o empreendedorismo e a criação do seu próprio negócio.

Em 2016 a empresa apresentou um total de vendas que ultrapassam os 17 milhões de euros, o que revela um crescimento de 17,6% face a 2015 e 47,5% quando comparado aos últimos 5 anos. Estes resultados consolidam, mais uma vez, o crescimento da Amway no mercado ibérico, em que o número de distribuidores independentes da marca congrega mais de 12 mil – cerca de 4 mil em Portugal.

Este ano, a marca celebra o 25º aniversário e inaugurou o primeiro espaço físico da marca em Lisboa, o Amway Business Centre, onde os distribuidores e clientes têm a oportunidade de conhecer e testar os produtos da marca.

Como carateriza o negócio da Venda Direta na área de Beleza em Portugal?
Na hora de escolher e adquirir produtos de beleza, a consumidora portuguesa é uma cliente exigente e procura sempre o melhor. Por essa razão, uma empresa como a Amway é uma opção a considerar no momento de comprar este tipo de produtos. Os nossos clientes dão relevo à qualidade dos nossos cosméticos, o contacto personalizado e o acompanhamento da nossa equipa de vendas. A garantia de satisfação de 100% de satisfação é também um ponto relevante neste segmento. Além disso, mantemos um compromisso constante de I&D, com uma equipa de mais de 900 cientistas, engenheiros e técnicos que trabalham nos 75 laboratórios da empresa.

A Amway oferece a oportunidade de comprar produtos de alta qualidade, permitindo às pessoas gerir melhor o seu tempo, tendo em conta que não necessitam de se deslocar a pontos de venda para fazer compras. E tudo isso recebendo aconselhamento personalizado de distribuidores que têm formação continua oferecida pela empresa, algo impraticável em muitos negócios de comércio tradicional. No caso da Amway, as referências de cuidados da pele, higiene pessoal, tratamentos de cabelo e perfumes são as categorias de produtos mais consumidos na área de beleza.

Quais os principais desafios que tem enfrentado à frente da Amway?
A Amway começou a operar no mercado Português em 1992, contribuindo para o crescimento e profissionalização da venda direta em Portugal, transformando esta forma de negócio na realidade económica e laboral sólida e credível que é hoje. Como acontece com qualquer projecto pioneiro, surgem sempre desafios significativos quando se introduz um novo modelo de negócio num mercado, especialmente desafios culturais, mas que temos vindo a superar com estes 25 anos de trabalho, junto da sociedade portuguesa. Presentemente oferecemos uma área de negócio que foi já escolhida por milhares de portugueses, a maioria deles jovens que encontraram na Amway uma oportunidade, face à situação precária de desemprego em Portugal.

Qual o principal target da Amway?
A oportunidade de negócio Amway está disponível para todos os interessados, independentemente da idade ou formação. A empresa disponibiliza formas de iniciar o próprio negócio, com um risco muito baixo, investimento reduzido e formação gratuita e contínua ao longo dos anos em que estão dedicados à empresa. É importante destacar que todos os produtos Amway contam com uma garantia de satisfação de 100% e que contam sempre com o acompanhamento de empresa nº1 do sector. Além disso, ao contrário de empresas convencionais, não é necessário investir numa loja física, tendo ainda total flexibilidade de horários para trabalhar.

Atualmente temos uma força de vendas muito heterogénea, com mais de 12 mil distribuidores na Península Ibérica, predominando cada vez mais os jovens millenials, ou seja jovens com menos de 35 anos, que representam hoje cerca de 30% dos colaboradores. Quanto ao cliente final, visto que a Amway tem um portefólio tão vasto com mais de 450 produtos, é a única empresa de venda direta capaz de responder às necessidades de todos os membros de uma família.

A Amway tem registado um crescimento no mercado ibérico. O que tem contribuído para este crescimento?
O crescimento do negócio na Península Ibérica foi de 17,6%, tendo em conta três aspetos fundamentais: aumento da visibilidade, forte estratégia de inovação e novas ferramentas de trabalho para os distribuidores. Em relação à visibilidade, tivemos a recente abertura de nosso primeiro espaço físico de mais de 200m2 em Lisboa, temos realizado eficazes campanhas de assessoria de imprensa e relações públicas, que têm ajudado a empresa a ser cada vez mais conhecida e relevante para o consumidor final, tendo um impacto direto no aumento das vendas dos nossos distribuidores.

Além disso, a forte estratégia de inovação em torno dos produtos, em especial com o lançamento de novas categorias de mercado onde a marca ainda não estava presente como a nutricosmética (com o lançamento da marca Truvivity), a apresentação de uma linha de cuidados pessoais masculinos (HYMM) ou a primeira fragrância da marca (Flora Chic), contribuíram significativamente para o aumento do volume de negócios.

Por fim, a empresa também tem seguido uma estratégia clara nos últimos anos para apoiar os seus empresários com as melhores ferramentas possíveis, resultando num aumento do número de distribuidores em 2016. Um crescimento de 6,3% que representa mais de 12 mil pessoas, refletindo-se também nas vendas e facturação anual da empresa.

Quantos produtos nas categorias de beleza, bem-estar e home care que a Amway comercializa atualmente?
A Amway tem atualmente um portefólio com mais de 450 produtos divididos entre as suas três áreas chave: Nutrição, Beleza e Lar. A empresa apresenta mundialmente cerca de 12/ 15 novos produtos anualmente, fruto de uma aposta constante na inovação.

Contam com quantos distribuidores independentes?
Atualmente temos mais de 12 mil distribuidores na Península Ibérica, estimando cerca de 4 mil em Portugal. A nível mundial, o número de distribuidores independentes da Amway ascende a mais de três milhões de pessoas em todo o mundo, presentes em mais de 100 países e territórios.

Quais são os produtos mais vendidos da Amway em Portugal? E no mundo?
A maioria dos produtos que faz parte do nosso top 10 de vendas em Portugal pertence à nossa marca de vitaminas e suplementos alimentares, a NUTRILITE. Entre todos os produtos que correspondem a uma maior faturação podemos encontrar: o Omega 3, a vitamina C Plus, o Double X, a Proteína vegetal e o Cal Mag D, referentes a nutrição. Completam ainda esta lista o novíssimo nutricosmético Truvivity, a pasta dentífrica Glister e o produto doméstico de limpeza da casa L.O.C, entre outros.

Globalmente, algumas referências de produtos variam, mas as vendas em áreas de negócio mantêm-se, como é o caso da Nutrição, que representa a maior parte das vendas, seguido da área de Beleza e cuidados pessoais e em terceiro lugar, os produtos de cuidados da casa.

Têm verificado alterações nos hábitos de consumo dos clientes Amway?
Sim, os hábitos de consumo do cliente final mudaram nos últimos anos. Especificamente, quando falamos de nutrição e produtos de beleza, temos um consumidor muito ativo e exigente que passa por um processo de compra mais racional do que podemos encontrar em outras áreas. A internet e as redes sociais permitiram um acesso facilitado e constante à informação, fazendo com que o consumidor esteja extremamente bem informado, interessado em cuidar de si correctamente, sabendo exactamente o que quer e como quer.  Por essa razão, ter o apoio de uma pessoa de confiança, com formação nesta tipologia de produtos, que aconselhe e recomende o que cada pessoa individualmente necessita, para cada momento, é altamente valorizado.

O que é fundamental para o sucesso da Amway?
A nossa estratégia para o sucesso é clara: apoiar os nossos empresários independentes com as melhores ferramentas possíveis. Os nossos colaboradores são o motor que faz a empresa avançar e toda a equipa da Amway Iberia trabalha incansavelmente para oferecer a melhor experiência de marca possível, para ajudar a aumentar a sua carteira de clientes e construir negócios de sucesso. Futuramente, este apoio ao empresário Amway será reforçado por uma forte aposta no mundo digital, onde as redes sociais e ferramentas digitais serão plataformas-chave. A introdução de novas categorias de produto, onde o lançamento de novidades realmente diferenciadoras e que irão marcar a diferença, será também uma grande aposta.

Este ano a marca celebra o 25º aniversário e inaugurou o primeiro espaço físico da marca em Lisboa, o Amway Business Centre. Pode falar-nos um pouco mais deste espaço? Quais são as expetativas?
O 25º aniversário que a Amway celebra em Portugal é sem dúvida um marco de que nos orgulhamos muito, especialmente celebrar este caminho de crescimento. Além disso, a marca abriu recentemente o seu primeiro espaço físico em Lisboa, com mais de 200 m2, que representa a consolidação do crescimento e da estratégia global da empresa. Este espaço multidisciplinar tem um duplo compromisso, em primeiro lugar para o cliente final, porque permite conhecer e experimentar a oferta de produtos, perceber como a empresa opera, conversar com profissionais que irão ajudar a satisfazer as suas necessidades, etc. Mas há um segundo compromisso com os empresários Amway, visto que é também um espaço para eles, pensado para viverem a marca, realizarem reuniões de negócio e receber formação sobre novos produtos, técnicas de vendas ou qualquer assunto que pode ser útil para o seu crescimento e desenvolvimento do seu trabalho.

Têm vindo a promover esta área de negócio junto de futuros empreendedores, nomeadamente com o desenvolvimento do estudo AGER. O que destaca como principais conclusões, a nível nacional, do Estudo Global de Empreendedorismo Amway 2016?
A grande novidade do estudo atual é o facto de Portugal ter registado um crescimento positivo de 10% no que toca à disposição dos portugueses para empreender, com 67% dos inquiridos a mostrar uma atitude positiva perante as temáticas do empreendedorismo. Um valor positivo, porém, mais baixo que a média europeia de 74% e a média global de 77%. Quanto ao potencial para empreender, os dados já não se mostram de tal forma positivos. A vontade existe, mas as pessoas não a conseguem colocar em prática, visto que apenas 36% dos inquiridos (um número ainda mais baixo que em 2015, que obteve 39%) pretende vir a criar o seu próprio negócio. Esta realidade afectou tanto os grupos etários mais velhos, como os “jovens millenials”, abaixo dos 35 anos de idade. Por outro lado, felizmente estes jovens adultos foram a classe que se mostrou mais entusiasmada perante a criação do próprio emprego, com 78% a exibir uma atitude positiva.

A vontade de empreender existe em Portugal, mas muitas vezes as pessoas não conseguem colocar em prática as suas ideias. Quais os maiores entraves ao empreendedorismo em Portugal?
A baixa percentagem registada em Portugal, relativamente ao potencial para empreender está muito relacionada com a falta de apoio que as pessoas sentem na criação de negócios próprios. As empresas privadas e a sociedade, em conjunto com as entidades governamentais e de ensino público e privado devem trabalhar para inverter essa atitude. É necessário dar mais apoio aos cidadãos, oferecendo-lhes mais e melhor formação e incentivando-os a empreender, sem terem medo de fracassar.

As pessoas ainda têm muito medo de empreender porque têm medo de falhar, este continua a ser um dos grandes entraves ao empreendedorismo. Este receio também é perceptível pela situação económico-financeira que se vive e que ainda não é estável, assim como os encargos financeiros para se lançar um negócio e as dificuldades de acesso a financiamento, que muitas pessoas ainda encontram. E por tudo isto, é que optar por seguir uma via de empreendedorismo, de baixo risco, de baixo investimento inicial e com formação contínua e gratuita, é extremamente valorizada no mercado.

E o que tem mudado nos últimos anos?
Apesar de termos passado por um período que a atitude perante o empreendedorismo diminuiu um pouco, este ano voltou em força com um crescimento de 10% no que toca à disposição dos portugueses para empreender. Um sinal do grande potencial empreendedor que existe em Portugal e que tem vindo a crescer. Significa que a sociedade tem vontade de mudar, que estamos em recuperação e que as pessoas procuram soluções. Já se nota também alguma sensibilidade para estas temáticas, por parte das empresas e das entidades governamentais, mas ainda é necessário dar mais apoio aos cidadãos, oferecendo-lhes mais e melhor formação personalizada e incentivando-os a empreender sem receios.

Projetos para o futuro?
Atualmente estamos focados em fortalecer o nosso primeiro showroom, em Lisboa. Estamos empenhados para que o Amway Business Center se torne num espaço multidisciplinar de referência entre os nossos distribuidores e os clientes finais. Além disso, estamos focados num importante plano de lançamentos que irão decorrer ao longo do ano, onde teremos grandes novidades na área de complementação alimentar e na área dos cuidados da pele.

Um conselho para quem quer empreender na área da Venda Direta em Portugal?
Apesar dos números de negócio da venda direta em Portugal, esta área ainda tem bastante potencial no nosso país, tendo em conta a lealdade do cliente neste sector. O volume de negócios do mercado nacional com mais de 200 milhões de euros, de acordo com a Associação de Venda Direta Europeia (SELDIA), está situado longe dos 13.900 milhões na Alemanha, 4.000 na França e 3.600 no Reino Unido, que lideram os mercados da UE. Apesar da ainda baixa penetração da venda direta em Portugal, prevemos um crescimento desta área de negócio, tal como têm acontecidos nos outros países.

No que toca à Amway, podemos garantir a qualquer pessoa, independentemente da sua idade, sexo ou formação que terá o apoio necessário e constante para desenvolver o seu próprio negócio. A empresa oferece um modelo de negócio de baixo risco, baixo investimento e com formação contínua e gratuita, portanto o melhor conselho que podemos dar é conversarem connosco para conhecer um pouco melhor a empresa.

Respostas rápidas:
O maior risco:
há mais de 30 anos atrás comecei a trabalhar no Amway Italia, uma empresa que naquela época encontrava-se em pleno desenvolvimento no mercado num setor totalmente desconhecido. O projeto apaixonou-me desde o início e posso dizer que 30 anos depois, foi uma das melhores decisões que já tomei.
O maior erro: não tenho nenhum erro a destacar, não porque não tenha cometido alguns durante minha carreira, mas porque aprendi com todos e cada um deles permitiu que conseguisse tirar lições valiosas para o futuro.
A melhor ideia: quando temos ideias sozinhos podemos ser mais rápidos, mas defendo que juntos podemos ir mais longe, desta forma, qualquer ideia que surja da minha equipa num todo e que tenha sido tomada em consenso será sempre a melhor ideia.
A maior lição:  aqueles que apenas se dedicam ao que sabem fazer, de forma rápida e num piscar de olhos, rapidamente se apercebe que é realmente bom apenas a fazer uma coisa. Por isso, a flexibilidade, a curiosidade e uma mente aberta são valores extremamente necessário para uma carreira de sucesso.
A maior conquista: celebrar o 25º aniversário da Amway em Portugal e alcançar um crescimento nas vendas de dois dígitos no mercado ibérico em 2016.

Comentários