A sua start-up está a preparar-se para mais uma ronda de financiamento? Dada a quantidade de fundos atualmente existentes, os jornalistas fazem uma filtragem cada vez maior optando por divulgar rondas de financiamento verdadeiramente importantes. Aqui pode ver como assegurar uma boa divulgação.

Não passa um trimestre sem que apareça um ou outra start-up a afirmar ter batido recordes de financiamento em termos de montantes angariados ou de investimentos efetuados e a Europa não foge à regra. As start-ups têm sempre novas vias de financiamento à sua escolha, tais como ICOs (Oferta Pública de Moedas), caso não consigam angariar fundos junto de empresas tradicionais de capital de risco, o que inflaciona assim o número de start-ups que afirmam estarem a ser financiadas. Na verdade, e desde agosto último, o montante total angariado através de ICOs desde o início de 2017 ultrapassou o financiamento em fase inicial.

Em virtude disto, os meios de comunicação começam a dar sinais de alguma fadiga  no  que  toca  à  cobertura  de  angariações de financiamento e os jornalistas mostram-se cada vez mais seletivos a divulgarem anúncio de rondas de financiamento. Há apenas três anos, uma angariação através de uma ronda de capital inicial ou de uma ronda de Série A era um garante de credibilidade para   qualquer start-up, algo que fazia com que se diferenciasse  da concorrência. Mas, tendo em conta a quantidade de fundos atualmente disponíveis, isto já não é o caso. Daí que é legítimo que os jornalistas tentem fazer uma filtragem, centrando-se na cobertura das rondas de financiamento verdadeiramente importantes.

Como conseguir destacar-se assim e assegurar uma boa cobertura dos seus anúncios de angariação de financiamento? Eis cinco itens essenciais que deve incluir no seu comunicado de imprensa e na sua apresentação à imprensa, para além da própria notícia de angariação de financiamento.

1 –  A tendência em  que se insere
Formule o seu anúncio de angariação de financiamento de modo a conter um gancho noticioso e aproveite a ocasião para contar a história da sua startup.

Esta história deve inserir-se num contexto ou tendência mais abrangente. Por exemplo, se estiver a desenvolver uma aplicação móvel para ajudar pessoas a gerirem as suas finanças, atente na forma como o seu produto se pode inserir nessa tendência mais abrangente da inovação na área das finanças pessoais. Certifique-se que, ao contactar os meios de comunicação social está em condições de responder às seguintes questões: qual a dimensão do mercado para o qual está a apontar? Qual o ritmo de crescimento desse mercado e quais os números/estudos recentes disponíveis que consubstanciam o que afirma? Quem são os seus concorrentes, digitais e tradicionais?

2 – O montante angariado
A  dada  altura,  a  sua  história  estará  a  competir  com  a  de  muitas  outras empresas que estão a tentar assegurar também cobertura noticiosa. Os jornalistas preferem cobrir anúncios de angariação de financiamento que incluam montantes conhecidos em euros se tiverem que escolher entre duas startups. Se, por alguma razão, não estiver preparado para divulgar qual o montante angariado, insista com os seus investidores para que avancem pelo menos com um valor aproximado.

3 – O perfil do investidor
Com cada vez mais business angels e novas empresas de capital de risco a abrirem todos os meses, indicar qual o perfil e historial do investidor é também uma boa forma de se destacar. Se os seus apoiantes forem de alto nível, certifique-se que destaca esta informação nas comunicações relativas ao financiamento. Que  investimentos  dignos  de  nota  foram  feitos  pelos  seus investidores no passado? Operam no mercado onde está a fazer o anúncio? Se não for o caso, fizeram investimentos conhecidos nesse mercado?

4  – Estratégia de crescimento e números
Os números são a sua melhor forma de ilustrar o ritmo de crescimento da sua startup. Prepare-se para partilhar também algumas informações prospetivas sobre si e sobre a forma como pretende usar os fundos, e utilize isso como uma oportunidade de desenvolver a sua narrativa de crescimento. Divulgue algumas    metas    quantitativas    e    estime    prazos    para    atingir    esses objetivos. Quantos  utilizadores  têm,  qual  a  percentagem  de  crescimento mensal ou anual desse número? Vai usar esses fundos para proceder a recrutamentos? Está prevista uma expansão para novos mercados? Serão desenvolvidas novas características do produto? No fundo, quais os melhores números para mostrar escala?

5 – Validação do conceito do produto
Uma vez que assegurar financiamento é cada vez mais comum, é fundamental para uma startup conceber uma boa história que valorize o seu produto. Que problemas  está  a  resolver?  Qual  a  dimensão  do  mercado  a  que  está  a apontar? Quem são os seus super utilizadores? Tem testemunhos de utilizadores/clientes que possa partilhar?

Se a sua história incluir todos os elementos acima referidos estará numa boa posição para maximizar as hipóteses de assegurar a cobertura que pretende.

________________

*Clara Armand-Delille é fundadora e diretora executiva da ThirdEyeMedia, uma consultora de relações públicas e marketing digital para start-ups e sociedades de capital de risco. Com uma década de experiência no sector, passou antes pela Google, Accel Partners e iZettle e tem um historial de sucesso no que toca a ajudar start-ups a desenvolverem a sua marca na Europa, EUA e América Latina, gerindo campanhas regionais e globais de comunicação, lançamentos de mercado e anúncios de financiamento.

Comentários