A grande barreira para aprender alguma coisa não é intelectual, mas sim emocional.

Estar constantemente a aprender novas habilidades e competências é importante para nos mantermos relevantes num mundo cada vez mais competitivo, especialmente se for um empreendedor à procura de inovação. Mas como é que aprendemos uma skill nova se temos uma vida tão ocupada?

Esta foi a pergunta de partida para o problema de Josh Kaufman, um autor bestseller e coach do mundo dos negócios, que se viu sem tempo quando foi pai pela primeira vez. Sendo alguém que está constantemente à procura de aprender coisas novas, a falta de tempo causou-lhe algum transtorno. (Esta experiência foi partilhada numa Ted Talk – vídeo no final do artigo.)

Com este problema em mãos, Kaufman decidiu perceber de quanto tempo precisava para aprender uma nova habilidade. Houve uma investigação em específico que desmoralizou totalmente o autor. Segundo esta, eram precisas 10 mil horas para aprender uma nova habilidade.

No entanto, a investigação passava por tentar perceber quanto tempo é que era preciso para alguém se tornar especialista num setor ultracompetitivo. A ideia por trás da aprendizagem de uma nova skill não passa por tentar ser um especialista, mas sim por tornar-se razoavelmente bom a executar algo que anteriormente não era capaz.

E quanto tempo é que preciso para me tornar razoavelmente bom? Esta foi a segunda pergunta a ser colocada na investigação de Kaufman.

Surpreendentemente, o resultado foi 20. São precisas apenas 20 horas para passar de total incompetente a razoavelmente bom. Esta quantidade de tempo é exequível para qualquer pessoa, por mais ocupada que seja.

Se praticar 40 minutos diariamente, ao fim de um mês pode muito bem ter adquirido uma competência nova. É importante que se liberte da ideia de que a grande barreira para aprender alguma coisa é intelectual. Segundo Kaufman, o maior impedimento para adquirir uma nova competência é emocional.

Para potenciar a aprendizagem de uma skill nova Kaufman enumerou quatro passos necessários:

1- Desconstruir o que quer aprender. Tem de decidir exatamente aquilo que quer fazer no final das 20 horas. Quanto maior a sua capacidade de desconstrução, mais facilmente se apercebe do que precisa para ser bom. Desta forma, pode focar-se no mais importante para ir desenvolvendo a nova competência. Se quiser aprender a construir um website, por exemplo, terá de se focar em aprender a programar em HTML e CSS primeiro. Estas duas linguagens são a fundação para desenvolver esta competência. O objetivo é descobrir a fundação da skill que quer aprender.

2- Aprender o suficiente para conseguir corrigir-se a si próprio. A ideia por trás deste ponto é tentar aprender o suficiente para conseguir ir avançando e, quando necessário, corrigir os próprios erros. Para Kaufman, ficar preso à parte teórica não é mais do que procrastinação. O autor apoia o conceito de aprender o essencial para ser capaz de executar eficazmente.

3- Remover barreiras à prática. Estes impedimentos prendem-se com as eventuais distrações que são passíveis de serem controladas, como a Internet, televisão, telemóvel, etc. Tente praticar num local onde saiba que vai conseguir estar totalmente focado durante 40 minutos.

4- Praticar pelo menos 20 horas. O último conselho de Kaufman não incide apenas na prática de, pelo menos, 20 horas, mas também na mensagem de que haverá momentos em se sentirá frustrado. Por norma, temos medo de nos sentirmos estúpidos por nos apercebermos que não sabemos nada. O autor garante que – se este plano das 20 horas for bem executado – vai ficar espantado com os resultados.

Leia também: “Ted Talks que todos os empreendedores deviam ver“.

Comentários