O programa global de aceleração em energia tem um novo membro. A CPL de Hong Kong juntou-se ao projeto.

O Free Electrons reforçou a sua lista de membros com a entrada da CLP Holdings de Hong Kong  no seu portfólio, juntando-se, assim, a nomes como a American Electric Power (EUA), Ausnet Services (Australia), DEWA (Dubai), EDP (Portugal), ESB (Irlanda), Innogy (Alemanha), Origin Energy (Austrália), SP Group (Singapura) e Tokyo Electric Power (Japão), com o apoio da Beta-i (Portugal).

Com operações em Taiwan, China, Austrália, Índia e Sudeste Asiático, a CLP está entusiasmada com a oportunidade de “estabelecer parcerias com as melhores start-ups deste campo, para criar novas e radicais tecnologias e aplicações energéticas, pensadas para os consumidores, empresas, cidades e entidades públicas”, justificou Austin Bryan, director de inovação.

Recorde-se que o Free Electrons é um programa de aceleração no sector da energia que tem como finalidade promover o contacto com start-ups que desenvolvam soluções na área da mobilidade, energia limpa e eficiência energética. “Este interesse da CLP vem comprovar a pertinência e importância de um projeto como o Free Electrons, não só para as start-ups que concorrem e que participam no programa, mas também para todas as empresas organizadoras e para todo o setor energético mundial”, congratulou-se Luís Manuel, administrador da EDP Inovação.

O programa recebeu 515 candidaturas, de 65 países diferentes, e depois do processo de seleção que teve lugar em Lisboa, no mês passado, foram selecionadas 15 start-ups para a fase de aceleração, entre as quais portuguesas Jungle AI e a Loqr.

O primeiro módulo do programa começou esta semana em Sydney e Melbourne, Austrália, com estas 15 start-ups. O segundo módulo decorrerá, em data a anunciar, em Silicon Valley, Estados Unidos, a que se seguirá a final, em outubro, na Alemanha. Estes módulos internacionais, são aliás, os pilares do Free Electrons. No decurso dos mesmos, os participantes trabalham de perto com as utilitie e com os mentores de forma a acelerar o crescimento dos seus negócios.

No ano passado, o programa de aceleração Free Electrons gerou mais de 2 milhões de dólares de receitas, resultado dos contratos assinados entre as 12 start-ups que concorreram e os oito parceiros.

Comentários