Está a começar uma start-up e quer captar a atenção de investidores? Esqueça os indicadores financeiros tradicionais e centre-se no valor do seu projeto.

Existem diferentes maneiras para avaliar uma start-up mas quase todas têm por base empresas que já tem um histórico, seja bom ou mau, e que podem fornecer métricas de avaliação seguras para potenciais investidores. Mas quando se está a começar um projeto novo, em o pouco que tem para se mostrar resume-se, na melhor das hipóteses, a um protótipo ou uma ideia, que argumento pode usar para captar a atenção de um investidor? Sem vendas e clientes pode ser complicado arranjar investimentos, mas não é impossível.

As métricas do mercado
Na maioria das vezes, as start-ups tomam como referência para medir o seu valor de mercado os parâmetros do sector em que estão inseridas. Ou seja, se o mercado em que vão trabalhar está avaliado em 500 milhões de euros, a tendência é para valorizar a ideia, por exemplo, em 1% desse valor, isto é em 5 milhões de euros. Mas essa pode revelar-se uma abordagem arriscada para abordar um possível investidor. Isto porque os “investidores profissionais” já viram, provavelmente, muitos projetos como o seu, conhecem as métricas de mercado melhor do que ninguém e “enganá-los” é difícil.
Assim, em vez de pensar “quanto dinheiro peço”, questione-se “quanto dinheiro preciso?”. É difícil conseguir dinheiro partindo de uma apresentação power point porque os investidores não têm nada de concreto em que se apoiar e o fator incerteza domina. Um bom ponto de partida é começar por contabilizar o dinheiro e tempo que já dispendeu no projeto e apresentar o valor de que precisa para obter os resultados e objetivos a que se propõem. O financiamento depende de muitos fatores: Quem você é, de quanto vai precisar, quando e porquê?

Um investidor para cada fase
Cada fase do seu projeto está direcionada para um investidor tipo: quando ainda só tem a ideia; para quando faz a primeira venda e o projeto começa a ter um rosto; depois, quando já está a faturar de forma significativa. Estas etapas têm uma relação direta com o dinheiro a pedir e na forma como o vai diluir ao longo do tempo. Por exemplo, se pedir um milhão de euros numa fase muito inicial do projeto, em que o valor da empresa é de 500 mil euros, vai perder 66% da empresa. Ou seja, passa de empreendedor a empregado. O que não interessa nem ao investidor nem ao empreendedor. E mesmo em rondas de financiamento posteriores, o empreendedor acabará sempre com uma percentagem excessivamente baixa da empresa.
Os especialistas recomendam que crie valor no projeto para que quando pedir investimento isso não implique uma redução excessiva da sua parte. Por isso, em fases muito iniciais é importante procurar investimento entre os amigos, familiares ou business angels, até atingir uma etapa em que o valor do projeto já lhe permita equacionar outras possibilidades.

Avaliação completa
Alguns empreendedores procuram investimento porque calcularam, por exemplo, que a campanha de marketing lhes vai custar X ou que a contratação de um profissional implica gastar Y. Mas esquecem-se que devem simular um pedido de investimento incluindo também todas as despesas: como vão pagar as dívidas aos amigos, às finanças… Quando se sentar com um investidor, o mais correto é simular todos os cenários: tenho este produto, para este tipo de mercado, quero expandir, quero chegar ao público-alvo Y… Tem de fazer o trabalho de casa porque só assim pode discutir de que forma o investidor entrará no seu projeto. Coloque todos os dados em cima da mesa e ganhará credibilidade. E o investidor percebe que você controla e gere todos os aspetos do seu modelo de negócio.

Planos detalhados
Em que aspetos se foca o investidor para analisar se o dinheiro que o empreendedor pede se ajusta ao que a empresa precisa? Um deles é se garante a viabilidade do plano de negócio, por isso deve ser feito um plano detalhado: quanto vai custar e onde quer chegar. O investidor quer saber que receitas vai gerar, se é escalável para outros mercados, que tipo de investimento precisa, que faturação quer atingir. A partir daí faz as projeções a 6, 18, 24 ou 36 meses para definir as necessidades financeiras da empresa e decidir de quanto precisa para começar a ganhar dinheiro, e fazer um negócio rentável e estável. Em qualquer caso, deve ser um trabalho conjunto entre empreendedor e investidor. A verdade é que se a empresa estiver bem e se criar valor é um investimento rentável para todas as partes envolvidas, porque no futuro valerá mais do que no presente.

Comentários