O mundo dos negócios é indiscutivelmente exigente e altamente concorrencial, não só entre organizações, mas entre os próprios colaboradores, lutando por carreiras desafiantes, aprendizagem constante e sede de crescimento rápido. É quase uma espécie de dimensão para corajosos, audazes e insistentes, liderem pessoas ou não.

Neste contexto, como conseguir construir uma liderança inspiradora e altamente motivadora na organização?Com base na minha experiência profissional dos últimos 20 anos, posso dizer que a primeira se relaciona com a capacidade de transmitir uma visão de superação individual e coletiva e que a segunda relaciona-se com o “acreditar para ver”, contrapondo ao habitual “ver para crer”. Estando, contudo, altamente correlacionadas.

A forma como transmitimos e vivenciamos a visão da organização ou de uma equipa, aos seus colaboradores, tem de ser uma fotografia de futuro tão inspiradora que leva as pessoas à ação, à concretização, à superação. Tem de ser uma mensagem, de conteúdo e forma que influencia pensamentos, emoções e sentimentos de quem a recebe. Tem de ser liderada pelo coração, com paixão e a emoção pessoal de se tornar essa mesma visão. Aquela história de “sermos o n.º1” não é suficiente! E não é suficiente, porque não é pessoal. A força da mensagem da visão da organização tem de ser tal, que mexe, com os nossos pensamentos, emoções e sentimentos. Vivemos essa história com cada batida do nosso coração.

Vou contar-vos numa breve história.

Numa manhã, num passeio, uma certa mulher passava junto a uma grande obra e estavam três homens a trabalhar. Curiosa, a mulher chegou perto de um e perguntou o que estava a fazer? Algo aborrecido e sem grande paciência, respondeu-lhe: “não vês? Estou a colocar tijolos!”

Não satisfeita, a mulher, perguntou ao segundo homem, o que estava a fazer? Este respondeu-lhe com matéria de fato: “estou a construir uma parede de 30 m de altura, com 10 m de comprimento e 20 cm de espessura!”. Entretanto, este segundo homem, olha para o primeiro, e diz-lhe: “estás distraído e colocaste o tijolo no sítio errado, tens de emendar de imediato a situação!”

Ainda não satisfeita, a mulher questionou o terceiro homem o que estava a fazer? Apesar de estar aparentemente a fazer o mesmo do que os outros, levantou a cabeça, com extrema alegria e excitação, responde-lhe: “Vou lhe dizer! Estou a construir a maior Catedral do mundo, que alguém alguma vez já viu!”. Olhou para os outros dois colegas e disse: “Vocês os dois não se preocupem. Essa parte será uma esquina, ficará engessado e ninguém verá esse tijolo! Tranquilo, prossigam, vamos continuar!”

A moral desta metáfora é que quando entendemos a visão global da empresa ou da equipa, de tal forma, que nos tornamos nessa visão diariamente e vivemo-la pessoalmente, sentindo em nós a emoção e o sentimento, mais profundo de propósito e de superação – alegria, felicidade, prazer pelo que fazemos e como o fazemos.

O desejo de superação é muito mais forte do que estimular a mera competição interesseira. Mostra como o trabalho e a contribuição de cada um se enquadra nessa visão e leva pessoas e equipas a uma verdadeira superação – o acreditar para ver (e não o tradicional tenho de ver primeiro para acreditar).

A visão torna-se algo pessoal e que se manifesta em sentimentos e emoções altamente vibrantes na organização e nas equipas. Inspiração e motivação complementam-se. A superação traz-nos concretização, alma, brio, coragem, resiliência e motivação.

Líderes inspiradores levam as suas equipas a fazer o que parecia impossível!

Comentários