A Europa tem muitos destinos interessantes para oferecer aos nómadas digitais que procuram algo diferente e destinos inspiradores.

Identificados como pessoas que, graças às maravilhas da tecnologia moderna, conseguem trabalhar remotamente em qualquer parte do mundo, os chamados nómadas digitais são a inveja de muitos profissionais que trabalham “agarrados” a uma secretária.

A atividade de nómada digital é uma realidade, sobretudo, para muitos jovens que usufruem ao máximo da autonomia que um PC e uma boa rede de internet lhes proporcionam para andarem com a casa às costas pela Europa fora. É a combinação perfeita: conseguem ganhar dinheiro com o trabalho que fazem à distância e aproveitam para conhecer mundo, inspirarem-se em cada local por onde passam e em cada cultura que conhecem.

A Europa apresenta uma seleção muito variada de destinos para quem assume esta opção profissional e quer trabalhar  a partir de qualquer uma das cidades por onde vai passando. Aqui ficam algumas sugestões partilhadas no Entrepreneur por Erhan Korhaliller, fundador e CEO da EAK Digital, ele próprio um nómada digital assumido.

  1. Poznan, Polónia

Nos últimos anos, Poznan floresceu como o “spot” da Polónia. É uma excelente opção se quiser fazer uma pausa das grandes cidades: tem ótimos restaurantes, teatros, exposições clássicas e locais históricos interessantes para visitar.

Sem esquecer os  preços polacos já que pode arranjar um apartamento T1 num dos bairros mais modernos de Poznan por apenas 500 euros. Um bom jantar custa-lhe não mais que 18 euros.

A localização da cidade, no Oeste da Polónia, também é um ponto a favor porque, a partir dali, pode, por exemplo, chegar a Berlim, na Alemanha, em apenas duas horas.

  1. Istambul,Turquia

Para muitas pessoas, Istambul é aquele lugar mágico e exótico onde o Ocidente encontra o Oriente. Os nómadas digitais interessados em mudar-se para a cidade ficarão contentes por saber que o custo de vida é relativamente barato – arrendar um apartamento pode custar cerca de 500 euros por mês.

A arquitetura impressionante e a fascinante história desta cidade são outras das razões pelas quais as pessoas visitam Istambul. Como está localizada entre dois continentes, pode-se facilmente viajar para qualquer lugar a partir de Istambul –  a Ásia está ao virar da esquina (sobre a Ponte do Bósforo) e a Europa continental fica a apenas algumas horas de distância.

  1. Barcelona, Espanha

Se está a precisar de um pouco de sol e calor, Barcelona pode ser o seu “cantinho do céu” durante alguns meses. Arquitetura fascinante, espelhada em algumas das maiores obras de arte de Gaudí, praias deslumbrantes e um ambiente incrível fazem desta uma cidade muito atrativa para os nómadas digitais.

Ao contrário de muitas outras cidades da Europa Ocidental, Barcelona é relativamente barata. Se planear bem as suas despesas, pode viver com entre 1.260 a 1.950 euros por mês. A rede de transportes é muito boa e  consegue facilmente chegar a qualquer lugar sem um carro.

Com mais e mais nómadas digitais a mudarem-se para a cidade pode encontrar muitos amigos internacionais para explorar a cidade e, claro, tem a praia por perto. Os especialistas aconselham Barcelona nos meses de inverno já que o clima é ameno e pode recarregar baterias enquanto foge do rigor do inverno que afeta outras cidades europeias.

  1. Plovdiv, Bulgária

Quando se fala da Bulgária, a maioria das pessoas pensa imediatamente em Sófia. E apesar de a capital ser um lugar excitante para visitar, há muito mais neste país dos Balcãs.

Para os nómadas digitais que procuram lugares fora do circuito tradicional, Plovdiv pode ser uma excelente escolha. Apesar desta pitoresca cidade ser muito pequena, tem tudo o que precisa – incluindo uma internet muito rápida.

A maioria dos nómadas digitais que por ali passa elogia Plovdiv por ser muito barata e relaxante. Por apenas 345 euros, consegue-se arrendar um apartamento no centro da cidade e gastar não mais de 575 euros em todas as outras despesas, enquanto aproveita as noites e a boa comida.

  1. Utrecht, Holanda

Uma visita à Holanda geralmente significa uma viagem diretamente para Amsterdão, mas se é um viajante curioso e quer ver o lado “real” deste país, considere a possibilidade de dar uma hipótese a Utrecht.

Ali, pode encontrar um típico cenário holandês – uma cidade medieval, casas e canais encantadores … tal como Amsterdão, mas sem as multidões de turistas. Além disso, consegue morar em Utrecht por entre 1.350 a 1.800 euros por mês.

Como qualquer outra cidade holandesa, Utrecht é um lugar muito progressista e tolerante, onde certamente se sentirá bem-vindo, não importa de onde venha. São muitos os jovens e estudantes que vivem na cidade, o que deixa adivinhar que a vida noturna da cidade é animada.

Não importa qual destas cidades é a sua opção, mas certamente que vai ficar surpreendido pela positiva. A Europa é um lugar cheio de grandes cidades prontas para serem descobertas pelos nómadas digitais.

Comentários