Chinesa Mobike, que disponibiliza um serviço de partilha de bicicletas, acaba de levantar 215 milhões de dólares numa ronda liderada pela Tencent.

O serviço de partilha de bicicletas promete dar que falar este ano no panorama das start-ups na China, com o ano a começar com a Mobike a levantar 215 milhões de dólares (cerca de 205,9 milhões de euros) numa mega ronda de investimento série D, avança o TechCrunch.

O investimento foi liderado pela Tencent, a gigante da Internet, que já tinha participado em rondas de financiamento anteriores, pela Warburg Pincus, entre outros nomes bem conhecidos, como a gigante do turismo online Ctrip e o Huazhu Hotels Group, que gere mais de 3 000 hotéis na China, a Sequoia China e a Hillhouse Capital.

A Mobike referiu que vai colaborar com a Huazhu Hotels e a Ctrip, que adquiriu recentemente a europeia Skycanner por 1,7 biliões de dólares (cerca de 1,6 mil milhões de euros) e investiu numa companhia aérea chinesa, para ajudar os “viajantes a movimentarem-se mais facilmente pelas cidades” e a fazer crescer a sua base de utilizadores. A Tencent, por sua vez, ajudará com recursos e saber fazer.

Criada em 2015, a Mobike começou por oferecer os seus serviços em Shanghai, em abril de 2016, operando hoje em nove cidades, por toda a China. A empresa foi criada a pensar que as bicicletas são uma forma de transporte económico, fácil e sustentável para quem se desloca nas áreas urbanas da China e de que o crescente uso de smartphones deverá permitir às pessoas usar as bicicletas quando e onde quiserem.

Ao contrário de outros serviços de partilha de bicicletas, que têm locais fixos para as recolher e as deixar, o Mobike usa o GPS para permitir que estas sejam deixadas em qualquer local da cidade, permitindo aos utilizadores saber onde elas se encontram, através da app, bem como destrancar as mesmas através do scan de um QR code que cada uma apresenta.

A Mobike pensa já em ir mais além, tendo planos para começar a operar em Singapura no primeiro trimestre de 2017 e estando a estudar mercados fora da Ásia.

Comentários