Katherine Hague, fundadora do Female Funders, e outras três experientes  investidoras partilharam conselhos para ajudar mulheres que estão à procura do seu primeiro investimento enquanto business angels.

A canadiana criou o Female Funders com o objetivo de inspirar mais mulheres a tornarem-se investidoras, uma vez que “apenas 3% dos investimentos de capital de risco são feitos por mulheres e este número levou a um ainda mais preocupante – apenas 2,7% do capital de risco investido é atribuído a negócios liderados por mulheres”, referiu Hague num evento em Seattle, EUA.

A business angel levantou capital de investidores na sua primeira empresa, uma plataforma de e-commerce para start-ups de hardware, a ShopLocket, que vendeu aos 23 anos. Hague foi considerada como uma das 100 mulheres mais poderosas do Canadá em 2014. Foi após esta menção que criou a Female Funders e a Angel School, um bootcamp para investidores ou empreendedores, que tem como objetivo ajudar cada vez mais as mulheres a se tornarem quer empreendedoras quer business angels.

“Tenho um carinho especial pelos business angels. Quando comecei a atividade em 2015 sabia que havia uma desigualdade de género, mas não estava preparada para o que acabei por encontrar”, referiu.

Katherine Hague e três experintes business angels – Gillian Muessig, cofundadora da Moz, Anne Kennedy do Outlines Venture Group, e Susan Preston, gestora do Seattle Angel Fund – partilharam as cinco dicas que consideram importantes para quem quer fazer o seu primeiro investimento enquanto business angels. As dicas foram citadas pela GeekWire.

1. Faça sempre um trabalho prévio
“Passe tempo com o empreendedor e analisem conjuntamente a documentação da atividade; faça a sua própria pesquisa de mercado, ligue a clientes ou a potenciais clientes da start-up; e troque ideias com outros especialistas nessa área”, referiu Susan Preston, sócia diretora do CalCEF Clean Energy Angel Fund. “Quanto mais tempo gasta nestas pesquisas, mais provável é que vá fazer um bom investimento”, acrescentou.

2. A mentoria é mais importante que o dinheiro que investe
Não se limite a investir o dinheiro e a sair de cena: “Digo sempre aos empreendedores que os estou a ensinar a verem o dinheiro como a terceira coisa mais importante no investimento”, referiu Gillian Muessig, CEO da Outlines Venture Group. “Primeiro devem saber escolher investidores que percebam do assunto e que são apaixonados pela sua empresa. Isso pode ser conseguido através de mentoria, bem como através do uso que fazem da experiência dos investidores que os ajudam a crescer e que partilham consigo a lista de contactos”, explicou.

3. Não invista numa start-up com um único fundador
“Há pessoas com inteligência e experiencia que você não tem. Penso que é um erro investir em start-ups com um único fundador”, referiu Anne Kennedy. Para si, “é uma teoria que tenho desde muito antes de surgir a internet… o problema é que estes pensam muitas vezes que conseguem fazer a empresa funcionar sozinhos e isso é sempre um engano. É muito importante ter alguém focado no fazer acontecer”.

4. Olhe além-fontreiras
A maioria dos investidores escolhem start-ups com localizações até três horas de distância de onde vivem – pense mais além”, referiu Gillian Muessig. Tanto Gillian Muessig como Anne Kennedy têm investido em empreendedores por toda a parte dos Estados Unidos, bem como em Nova Deli, na Índia.

5. Pense no retorno que vai ter e que vai além do investimento
“O que mais me motiva é o retorno daquilo que invisto”, refere Gillian Muessig. “Se investir, essa empresa vai crescer, mais pessoas vão ter emprego, mais crianças terão uma boa educação e alimentação, estes irão gastar o seu dinheiro e a economia estará a crescer. Isto é um bom legado. Quero ajudar e ao investir o meu dinheiro estou a fazê-lo”, frisa.

Comentários