Lançaram o Ircycle, que ainda está em fase de protótipo, há um mês e aproveitaram o Web Summit para dar a conhecê-lo. Ao Link To Leaders falaram do projeto que procura agora investidor.

Os alertas têm sido constantes. As enormes quantidades de plástico nos oceanos têm afetado seriamente várias espécies marinhas e prevê-se que, em 2050, a quantidade de lixo seja superior ao número de peixes.

De acordo com o Ocean Conservancy, cerca de oito milhões de toneladas de plástico entram no oceano, além dos 150 milhões de toneladas que circulam atualmente no mar.

O estudo desenvolvido pela fundação Ocean Cleanup, que envolveu investigadores de instituições da Nova Zelândia, Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Dinamarca, indica que quase 80 mil toneladas de detritos de plástico estão no Oceano Pacífico, entre a Califórnia e o Havai.

Um dos graves problemas deste tipo de poluição está relacionado com o facto dos plásticos – como cotonetes, palhinhas ou sacos de plástico – se deteriorarem e, através dos peixes, chegarem à cadeia alimentar humana.

Para acabar com este cenário, a Andreia Coutinho e o André Facote lançaram há um mês um projeto, o Ircyle, através do qual é possível aproveitar o lixo que existe no fundo mar para produzir ténis e outros materiais personalizados.

“A ideia ainda é muito recente e está associada a um tema que é cada vez mais do nosso interesse: o plástico que existe no fundo do mar e que demora anos a deteriorar-se. A ideia surgiu depois de constatarmos que antigamente os pescadores apanhavam o que vinha nas redes e deitavam outra vez ao mar, nomeadamente os plásticos. Deste modo, pensámos que, ao darmos um incentivo aos pescadores para não voltarem a atirar esse lixo ao mar, poderíamos criar um produto reutilizado”, explicou Andreia Coutinho, cofundadora do Ircycle, ao Link To Leaders.

Apesar de ainda estarem em negociações com uma fábrica espanhola que fará o incentivo aos pescadores espanhóis e transformará o material recolhido no fundo do mar em fibra, o objetivo destes jovens empreendedores é lançar no mercado já no início do próximo ano um produto customizado. Irão começar pelos ténis que serão made in Portugal e fabricados com material 100% reciclado, mas querem avançar também com outro tipo de acessórios.

Atentos a tudo o que se passa à sua volta, a Andreia e o André aproveitaram o Web Summit para dar a conhecer o projeto, mas também para procurar um investidor, missão na qual estão agora concentrados.

“Temos as portas abertas aos investidores, quer ao seu investimento, como também ao know-how que nos possam trazer”, revelou Andreia Coutinho.

Os fundadores do projeto, ele ligado à área de gestão, ela ao setor da comunicação, estimam que os ténis made in Portugal sejam comercializados por 100 euros.

Em breve poderemos encontrar a Ircycle no LACS, na Rocha Conde D´Óbidos, em Lisboa.

André Facote e Andreia Coutinho, fundadores do Ircycle

Resumo
Responsáveis: Andreia Coutinho e André Facote
Área: Moda
Produto: Ténis produzidos com material reciclado.
Mercado: Nacional e internacional
Necessidade: Parcerias e/ou investidores
Contactos: geral@ircycle.com
Site: http://ircycle.com/

 

Comentários