Com a aquisição da PillPack, a Amazon poderá, em breve, começar a vender medicamentos através da sua plataforma.

Há algum tempo que a Amazon se está a preparar para entrar no setor da saúde. Depois de se ter juntado à Berkshire Hathaway de Warren Buffet e à JPMorgan para criar um negócio que tem o potencial de promover uma reforma no sistema de saúde norte-americano, a empresa liderada por Jeff Bezos adquiriu a PillPack uma farmacêutica que opera exclusivamente online.

Esta aquisição vem reforçar a posição da Amazon enquanto possível player do setor, mostrando que a gigante de e-commerce está pronta para ter um impacto mais direto e comercial no setor da saúde durante os próximos anos.

Embora as condições do negócio sejam desconhecidas, o TechCrunch garante que uma fonte próxima afirmou que a PillPack foi vendida um pouco abaixo dos mil milhões de dólares (≈850M€). Segundo dados do PitchBook, a farmacêutica online foi avaliada em cerca de 360 milhões de dólares (≈300M€), em 2016, o que significa que – caso estes números estejam corretos – o valor da empresa quase que triplicou nos últimos dois anos.

A aquisição da PillPack não significa que a Amazon tenha planos para fazer escalar a empresa. Em vez disso, a gigante de e-commerce pode querer optar pela diversificação – ainda mais – do leque de ofertas que a sua plataforma oferece aos utilizadores através das infraestruturas que já foram construídas pela PillPack.

O poder da empresa de Bezos é notável. Algumas horas depois de ter sido noticiada a entrada da Amazon no mercado farmacêutico, houve uma queda abrupta das ações de grandes players desta indústria.

Amazon entra no mercado farmacêutico com uma aquisição

Receitas da Amazon ao longo dos anos (em milhares de milhões de dólares). Fonte: Statista

Em comunicado, TJ Parker, CEO e cofundador da PillPack, afirma que com a aquisição feita pela Amazon, a empresa está pronta “para continuar a trabalhar com parceiros da indústria da saúde de forma a ajudar os norte-americanos, que podem beneficiar de uma experiência de farmácia diferente”.

Comentários