Siga estes passos para abrir uma loja de ecommerce de forma eficaz e de acordo com todos os processos legais e tecnológicos.

O ecommerce é, cada vez mais, uma importante fonte de receitas para as empresas. Apesar do panorama luso ainda estar longe de atingir os valores da média europeia, em 2018, segundo os números do Instituto Nacional de Estatística (INE) 37% das pessoas entre os 16 e os 74 anos fizeram compras online. Um estudo de 2017 da Marktest revelou que, nesse ano, mais de 4,4 milhões de portugueses visitaram websites de ecommerce.

É, portanto, relevante que as empresas adotem este novo veículo de vendas para conseguirem atrair a população com apetência para compras online. Se pensa que não consegue fazer frente a gigantes como a Amazon ou o eBay, engane-se. De acordo com o estudo Observador Cetelem e-Commerce 2018, 80% dos compradores online prefere fazer compras diretamente nos sites das marcas.
Em oposição, as plataformas agregadoras como a de Jeff Bezos só são utilizadas por 56% das pessoas. Por outro lado, no panorama nacional, as páginas de classificados como o Custo Justo e o OLX só representam 24% da preferência dos consumidores.

A Zaask, um marketplace de serviços, enviou recentemente ao Link to Leaders um guia onde detalha os passos para criar uma loja online com todos os processos legais e tecnológicos. Aqui ficam as principais etapas:

Primeiros passos

Criar a empresa online
O primeiro passo para a criação da sua loja online é ter uma empresa ou marca. Para tal, pode fazer o registo na Empresa na Hora ou no Balcão do Empreendedor. Os custos deste registo podem ultrapassar os 580 euros.

Para criar uma loja de ecommerce é igualmente importante escolher um domínio que identifique o website na Internet. Esta etapa é relevante porque pode ter influência no tráfego futuro. Após tomar esta decisão, pode registar o domínio online através de sites com a GoDaddy, AMEN, Domínios e DNS.

Ter presença online
O segundo passo é alojar o domínio da empresa num servidor físico (preferencialmente dentro das instalações da empresa) ou numa cloud. Depois deve escolher um dos dois tipos de presença online que pretende ter:

a) um site meramente institucional, onde só quer dar a conhecer o seu negócio e, eventualmente, os produtos, sem nunca pretender fechar vendas através da internet.

b) uma loja online, onde vende os seus produtos e/ou serviços.

Pensar operacionalmente
É igualmente importante planear como vai trabalhar a operação da estratégia de ecommerce. Limite do espaço em disco, análise dos indicadores do site, bases de dados, apoio ao cliente e preço são apenas alguns dos tópicos que terá de ter em consideração.

Se estiver a pensar vender online, deve avaliar o modo de pagamento que quer ter no website. A Zaask aconselha que, quanto mais opções tiver, maior a facilidade de fechar uma venda junto dos potenciais clientes. Neste âmbito, há várias soluções como o cartão de crédito, o PayPal, a referência de multibanco e o MB Way. Avalie, tendo em conta o seu público-alvo, quais as melhores soluções de pagamentos online.

É também relevante que não se esqueça de criar uma conta bancária comercial para gerir as transações financeiras. Para isso, além da conta, precisa de criar um gateway de pagamento, ou seja, uma aplicação para ecommerce que é instalada num servidor remoto e que é mantida por uma operadora financeira que autoriza pagamentos de transações online em sites de negócios online.

Escolher a tecnologia necessária
Para ter uma loja online precisa de um software que faça a ligação entre o site e a infraestrutura – algo que permita que os clientes consigam escolher e encomendar os produtos ou serviços, alterar encomendas e pagar.

Na procura por um sistema deste género, opte por softwares que permitam efetuar promoções, descontos e outras formas de fidelização de clientes.

Para além disso, é também fulcral implementar um sistema informático de gestão empresarial (ERP – Enterprise Resource Planning) que integre todas as funções importantes da gestão da empresa, que seja certificado e que permita a emissão do ficheiro SAF-T para o serviço de Finanças.

Passos que podem ser feitos em qualquer altura

Fazer benchmarking e pesquisa de palavras-chave
Faça testes em motores de pesquisa, como o Google, e ferramentas de pesquisa de palavras-chave, como o Keyword Planner ou o Ubersuggests, por algumas expressões que identifique como as mais utilizadas por potenciais clientes. O objetivo passa por verificar o interesse em temas relacionados com o seu negócio e aferir o número de páginas apresentadas.

Da mesma maneira que é importante pesquisar o interesse do seu público-alvo, é igualmente relevante fazer um estudo sobre a concorrência direta e indireta. Procure as melhores práticas de marketing online e tente superar os seus concorrentes.

Estruturar o site
Comece a organizar toda a informação possível sobre os produtos ou serviços que tem para oferecer. Categorias, subcategorias, características, descrição, vantagens, referências e preços são componentes importantes que deve incluir na informação disponibilizada.

Após ter feito isto, é fundamental decidir que páginas quer ter no site, que links deseja inserir, que menus, categorias e produtos quer apresentar. O mais comum é criar uma página inicial com algumas categorias básicas, como “Produtos e Serviços”, “Sobre nós”, “FAQ” e “Contactos”.

Inspire-se em sites que considere funcionais e apelativos e construa um design consistente, que permita uma boa experiência ao utilizador e a mesma estrutura de navegação em todas as páginas.

Testar a loja online
Depois de fazer upload dos conteúdos para o servidor, deve testar cuidadosamente o site várias vezes e de diferentes formas. Tenha especial atenção ao funcionamento dos links, à compatibilidade com os vários navegadores (ou browsers), à resolução, à compatibilidade do ecrã nos diferentes dispositivos e ao tempo de carregamento do site.

Promover o website
O penúltimo passo consiste em investir tempo e/ou dinheiro em marketing. Se não for capaz de promover ativamente a sua marca junto do público-alvo, dificilmente vai conseguir atrair novos clientes ou fidelizar aqueles que já o são. Pode apostar tanto em ações pagas, como orgânicas – leia o nosso artigo sobre as tendências de SEO para este ano para saber como pode melhorar a posição do seu website nos motores de busca.

Garantir o cumprimento de questões legais
É essencial que não descure as questões legais. As mais pertinentes passam pela certificação para lojas online – obtida a partir da ACEPI – e pelas regras estipuladas pelo Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD) .

Caso esteja a desenvolver o projeto com uma pequena equipa, ou mesmo sozinho, é natural que não seja capaz de desenvolver todos estes passos. Para não ter de contratar alguém, pode sempre recorrer a profissionais que trabalhem em modelo outsourcing.

Comentários

Sobre o autor