Conheça alguns dos líderes do setor da tecnologia que adotaram uma estratégia “low tech” na educação dos filhos e os seus argumentos para essa opção.

Trabalhar em Silicon Valley não implica ser um discípulo da tecnologia. Alguns dos principais executivos do setor – entre os quais se incluem o ex-CEO da Microsoft, Bill Gates, ou o CEO da Apple, Tim Cook – educam os seus filhos de forma pouco tecnológica.

Muitos deles justificam a sua atitude com o facto de consideraram que os produtos que criaram não serem necessariamente adequados para um cérebro em desenvolvimento.

Bill Gates estabeleceu um limite de idade para usar o telemóvel

Bill GatesAgora os três filhos do multimilionário são mais velhos, mas Bill Gates e a sua esposa proibiram-nos de usar o telemóvel até aos 14 anos de idade.

A decisão vem de um incidente em 2007, quando o empresário percebeu que a filha passava muito tempo a jogar videojogos. “Costumamos definir uma hora a partir da qual não há ecrãs e isso ajuda-os a ir para a cama a uma hora razoável”, disse ao The Mirror.

Steve Jobs proibiu a sua própria tecnologia em casa

Steve JobsJobs, CEO da Apple, revelou em 2011 numa entrevista ao New York Times que proibia os seus filhos de usar o iPad recentemente lançado.

“Restringimos a tecnologia que os nossos filhos usam em casa”, disse ao jornalista Nick Bilton. Jobs era conhecido pelo seu interesse no budismo zen e pela sua crença no valor do minimalismo. A sua primeira casa em Palo Alto apenas tinha móveis.

Tim Cook não quer que o sobrinho use redes sociais

Tim Cook

Cook, o atual CEO da Apple, disse que não permite que o sobrinho use as redes sociais.

“Eu não tenho filhos, mas tenho um sobrinho a quem estabeleço limites”, disse Cook, segundo o The Guardian, admitindo que os produtos da Apple não são destinados ao uso constante. “Eu não sou aquele tipo que diz que alcançamos sucesso se usarmos a nossa tecnologia a toda a hora”, explicou”.

Chris Anderson mantém uma política rigorosa

Anderson, CEO da empresa de drones 3D Robotics, disse ao New York Times que os filhos chamavam-lhe “fascista” por implementar um regime que restringe o uso de tecnologia. Os seus cinco filhos garantiam-lhe que nenhum dos amigos tinha as mesmas regras.

E Anderson respondia-lhes: “Isso é porque vemos os perigos da tecnologia em primeira mão. Eu mesmo já vi e não quero que isso aconteça com os meus filhos”. Anderson também revelou que todos os dispositivos na sua casa tinham controlo parental.

Evan Williams prefere uma biblioteca física

Williams é um dos cofundadores do Twitter, Medium e Blogger, o que significa que coloca muita ênfase na palavra escrita.

Mas apesar da sua impressionante trajetória, Williams disse que ele e a sua mulher reuniram uma coleção de livros no lugar de produtos digitais para tornar os filhos mais letrados. A ideia é que eles leiam no mundo analógico e não num iPad ou num livro eletrónico.

Satya Nadella limita o uso de ecrãs aos filhos

 Satya Nadella

Numa entrevista ao The Washington Post, Satya Nadella, CEO da Microsoft, reconheceu que o vício em tecnologia era, para si, uma preocupação. Na verdade, o empresário explicou que, por esse motivo, restringiu o tempo de interação dos seus filhos com os ecrãs.

“Qualquer coisa em excesso é sempre um problema”, disse. Mas Nadella vai mais longe: exige que os funcionários se desconectem, pelo menos, dois dias por semana. Para tal, usa um software de Inteligência Artificial (IA) que o lembra para não enviar e-mails aos trabalhadores durante os fins de semana. Para o CEO da Microsoft, o equilíbrio entre a vida familiar e profissional não é uma questão trivial.

Comentários