Fique a conhecer as 10 start-ups europeias que se sagraram unicórnios recentemente. Há uma portuguesa na lista.

Atingir o estatuto de unicórnio é, desde a primeira hora, o sonho de qualquer empreendedor que arranque com uma start-up. Infelizmente, para uma grande percentagem destes projetos, isso não vai passar disso mesmo: de um sonho. O cenário complica-se para as mulheres fundadoras, visto que apenas um em cada dez unicórnios são criados por representantes do sexo feminino.

Isto é especialmente verdade para as start-ups europeias. Ao contrário das chinesas e das norte-americanas, que acedem mais facilmente a investimento, os projetos que nascem na Europa têm pouco acesso a capital, visto que os investidores são mais cautelosos, o que faz com que as start-ups tenham de amadurecer mais rápido e procurar gerar lucro mais cedo – o que não nem sempre é bom para escalar o negócio.

No entanto, continuam a surgir bons exemplos de sucesso no ecossistema europeu, como são os casos das 10 start-ups enumeradas na lista que se segue e que se sagraram unicórnios recentemente.

Celonis (Alemanha – 2011)
Fundada em 2011, a Celonis é uma start-up que se foca na análise de dados e que, através do seu software, tem como missão apoiar os seus clientes na otimização das suas operações. O projeto alemão tem uma carteira de clientes que conta com nomes como a Uber, Siemens, UBS, Bayer e ExxonMobil.

Esta start-up atingiu o estatuto de unicórnio em junho deste ano, depois de ter fechado uma ronda de investimento de 43 milhões de euros junto de investidores de Israel e dos Estados Unidos.

Flixbus (Alemanha – 2011)
Criada no mesmo ano que a Celonis, a Flixbus insere-se na área da mobilidade como uma start-up que oferece viagens de autocarro por um preço reduzido. Em apenas cinco anos, a empresa tornou-se na maior rede de autocarros da Europa, controlando mais de 90% do mercado, e está agora a expandir o negócio para os Estados Unidos.

A Flixbus conta com a Mercedes-Benz e a norte-americana Silverlake como investidores. Atualmente, oferece mais de 200 mil ligações diárias em 26 países.

Revolut (Reino Unido – 2015)
Vinda da capital europeia das fintech, a Revolut é um banco adaptado aos dias de hoje. Alguns dos benefícios que esta start-up oferece aos clientes passam pelas transferências bancárias internacionais e a troca de divisas sem quaisquer taxas. Mais recentemente, deu também acesso à compra e transferência de moedas digitais, como o bitcoin.

A Revolut demorou apenas três anos até atingir o estatuto de unicórnio e já conta com mais de dois milhões de utilizadores. No total, foram investidos perto de 290 milhões de euros na start-up.

SumUp (Reino Unido – 2011)
Também nascida na capital europeia das fintech, a SumUp apresenta uma solução para os pequenos vendedores de rua receberem pagamentos via cartão. O modelo de negócio passa por emprestar um dispositivo portátil sem qualquer custo e taxar as transferências que são efetuadas.

Esta solução permitiu à start-up expandir-se para mais de 30 mercados, incluindo Portugal.

Taxify (Estónia – 2013)
Conhecida por ser a Uber europeia, a Taxify é um exemplo de sucesso do empreendedorismo nos países Bálticos. Disponível em 25 países, incluindo Portugal, a Taxify já tem mais de 10 milhões de utilizadores (7.5 vezes mais do que a população do país que a viu nascer).

A Taxify sagrou-se unicórnio no final de maio deste ano, depois de ter fechado uma ronda de investimento de 150.5 milhões de euros junto da Daimler (empresa-mãe da Mercedes-Benz).

Telegram (Reino Unido – 2013)
Criada pelas mãos do empreendedor russo Pavel Durov em Londres, a Telegram é uma plataforma de mensagens especializada na privacidade e segurança dos seus utilizadores e apresenta benefícios como: encriptação inquebrável, não deixar rasto nos servidores da empresa e ter temporizadores de “autodestruição” das mensagens.

Esta start-up é a única desta lista que atingiu o estatuto unicórnio através de ICOs (initial coin offerings). As rondas foram feitas em fevereiro e março deste ano e totalizaram cerca de 1,47 mil milhões de euros.

Tricentis (Aústria – 2007)
A Tricentis tem como missão ajudar as equipas de developers das organizações a automatizarem os testes de software. Nascida em 2007, a start-up de Viena já conta com clientes como a HBO, Vodafone, Deutsche Bank, BMW, Allianz e a Toyota.

O estatuto digno de start-ups com avaliações superiores a mil milhões de dólares foi atingido depois do projeto austríaco fechar uma ronda de investimento de séries B liderada por uma firma de capital de risco norte-americana.

Uipath (Roménia – 2005)
Sagrado unicórnio em março, altura em que o fundo norte-americano Accel investiu 131 milhões de euros, a Uipath dá acesso a serviços de automatização robótica com base em inteligência artificial. Apesar de ter sido desenvolvida na Roménia, a start-up relocalizou-se para Nova Iorque.

OutSystems (Portugal – 2001)
O único projeto português incluído nesta lista tornou-se unicórnio em junho último, depois de ter fechado uma ronda de investimento de cerca de 310 milhões de euros. Tal como outras empresas aqui presentes, a empresa de desenvolvimento de software teve de recorrer a investidores norte-americanos para conseguir atingir o desejado estatuto de unicórnio.

BioNtech (Alemanha – 2008)
A BioNtech é a maior empresa privada de biofarmacêutica da Europa. De origem alemã, rsta start-up tem perto de 750 colaboradores, e está a desenvolver a próxima geração de imunoterapias personalizadas para cada paciente.

Este projeto já recebeu mais de 815 milhões de euros em investimento.

Comentários

Sobre o autor