Paul Merriman, fundador da Merriman Wealth Management, uma empresa de consultoria de investimentos, com sede em Seattle, e autor de inúmeros livros sobre investimentos, é um grande fã de Warren Buffett de quem cita, frequentemente, frases como “Só tem um fazer um número reduzido de coisas bem na sua vida, desde que não faça demasiadas coisas mal”.

Foi com este ponto de partida que o autor compilou uma lista de 10 coisas que os investidores de sucesso não fazem. Deixamos aqui as suas dicas. Se faz alguma destas coisas ainda está a tempo de mudar.

1 – Investidores de sucesso não começam do nada sem um plano, tal como não começariam uma road trip sem, pelo menos, um mapa ou um destino pensado. As provas são esmagadoras de que investimentos ao acaso, feitos sem um plano, raramente levam ao sucesso.

O plano de investimento não tem que ser muito elaborado, mas deve basear-se onde está, ou seja, na sua situação financeira atual, e para onde quer ir, presumivelmente conseguir uma reforma confortável dada altura da sua vida. Deve incluir os passos concretos que vai pôr em prática. Investidores bem-sucedidos esperam atingir os seus objetivos, identificando as etapas certas. Poupar dinheiro regularmente é o mais básico desses comportamentos úteis.

2 – Não planeiam reformar-se com o retorno dos seus investimentos. Contam com o dinheiro que pouparam, na esperança que o mercado mantenha essas poupanças em alta com a inflação. Investidores de sucesso poupam regularmente, como um hábito financeiro de base, e poupam o máximo que podem. No ano passado, a Fidelity Investments estudou as finanças de 4,500 agregados familiares e descobriu que, em média, a única mudança mais significativa que poderiam fazer para melhorar o cenário da sua reforma seria poupar mais dinheiro. Se for possível, recomenda-se que poupe 15% do seu salário.

3 – Não dependem apenas de um investimento, ou até de uma mão cheia deles. Eles diversificam muito sabendo que é impossível prever, com certezas, quais os investimentos que vão valorizar e quais vão desvalorizar. A diversificação não reduz o risco, mas dispersa-o. No longo prazo, vai fazer com que a o seu percurso tenha menos percalços e seja mais confortável. E isso aumenta a probabilidade de se manter fiel ao seu plano. Adicionalmente, maior diversidade conduz, com frequência, a um maior retorno.

4 – Não menosprezam o que pagam pelos serviços e produtos de investimentos. Mantêm os custos baixos, sabendo que é uma das poucas partes do processo de investimento que conseguem realmente controlar. Uma grande parte disto significa investir em fundos indexados em vez de actively managed funds. Este passo, só por si, pode fazê-lo poupar 1% nos custos, por ano.

Ao longo do tempo, essas “pequenas” poupanças têm mais importância do imagina. Num único investimento de 10 mil dólares, com um retorno de 8% em 20 anos, reduzir as suas despesas anuais em 1% pode impulsionar o retorno para 9%. Isso iria aumentar o seu valor final e colocar um montante no seu portfolio, quase tantos dólares quanto o seu investimento inicial.

5 – Não deixam que as oscilações do mercado os desanimem. Eles percebem que a desaceleração é natural e que aguentar essas tempestades é importante para o sucesso a longo prazo. Eles dão o seu melhor para se manterem no caminho certo, evitando o pânico, comprando quando os preços estão a subir e mantendo-se afastados de vendas precipitadas quando o mercado de ações está a afundar. Nem sempre é fácil emocionalmente, mas é vital para o sucesso.

6 – Não estão sempre a alterar os objetivos principais em reação às notícias sobre a economia e ao comportamento do mercado. Quando as coisas estão a correr bem, os investidores querem, tendencialmente, retornos elevados e estratégias para vencer. Quando o ambiente do mercado está pesado, os investidores estão mais interessados em encontrar formas de minimizar o risco. Isso pode ser emocionalmente confortável, mas não é a melhor forma de planear um investimento a longo prazo.

7 – Investidores de sucesso não ignoram o risco do investimento que fazem. Claro que quando investe o seu dinheiro quer pensar na recompensa que espera vir a receber. Mas a principal razão que leva os investidores a não conseguirem atingir os seus objetivos é porque desistem depois de experienciarem perdas maiores que o esperado.

8 – Não esperam milagres e não baseiam os seus planos em expectativas irrealistas ou na esperança de terem sorte. A sua sorte pode ser boa, mas também pode, facilmente, ser má. A estratégia passa por construir os seus planos em retornos significativamente menores. Isto é, se a tendência, a longo prazo, do mercado de ações é 10%, talvez deva assumir que os seus investimentos vão valer 8%. Isso vai fazer com que poupe mais. Se o retorno exceder as suas expetativas, não vai ter problemas em adaptar-se.

9 – Não ignoram as taxas. Seja o que for que conseguir, use instrumentos de tax-advantaged ou outros planos semelhantes. Fora destas contas, vendas de investimentos geram taxas. Às vezes, até o timing de uma simples da compra de um fundo mútuo pode gerar taxas desnecessárias, tal como comprar ações mesmo antes da distribuição de dividendos, de um fundo mútuo ou ganhos de capital. Os investidores de sucesso prestam atenção a estes detalhes.

10 – Não se deixam levar pelos comentários financeiros incessantes que aparecem nos noticiários.

 

Comentários